Olá você do lado dai!

Sou a Luciana, mas pode chamar de Lu, artista de hand lettering, blogueira, ilustradora, designer e artesã, viciada em pinterest, café, chá de maça, Harry Potter e BTS. Tem uns textos meus por ai desde 2010.

Leia Também

assistidos #outubro

Desde que comecei a blogar sempre fiz posts separados para tudo que eu assistia, depois de um tempo acabou ficando um pouco cansativo e acabei parando de trazer esse tipo de conteúdo para o blog, mas como a meta é se reinventar decidi trazer um compilado mensal - ou ao menos tentar - de tudo que tenho assistido por aqui, ou melhor, não tudo exatamente, mas o que acho legal compartilhar.

Mês de outubro foi movimentado e confesso que fazia muito, mas muito tempo mesmo que eu não assistia tanta coisa - boa por sinal - por aqui, a maioria é de investigação com uma pegada mais sombria o que super combinou como mês em questão, mas chega de enrolação e vamos para os assistidos de outubro, lembrando que todos os títulos abaixo você encontra no Netflix.


1. Trilogia Baztán
A trilogia Baztán é baseada na série de livros de Dolores Redondo. Ao longo de três filmes acompanhamos a inspetora Amaia Salazar e sua luta contra o tempo para desvendar os assassinatos macabros cometidos nos arredores do vale de Baztán, em sua cidade natal Elizondo, na região de Navarra, na Espanha. Um dos grandes diferenciais da trilogia de Dolores Redondo é e mistura de elementos reais e fantásticos. Esses filmes é um emaranhado de coisas, todos os três estão interligados e a cada novo filme você vai descobrindo uma coisa nova e entendendo realmente o que vem acontecendo pela cidade e quem está por trás de tudo, é surpeendente.

O Guardião Invisível (2017) - Amaia Salazar , inspetora de polícia de Pamplona, ​​é orientada por seu superior para investigar um assassinato. O caso refere-se a uma adolescente cujo corpo nu foi encontrado ao lado de um rio perto de Elizondo, cidade natal de Amaia, uma vila chuvosa cercada por florestas e montes, cheia de mitos locais e superstições antigas. O instinto de Amaia para casos criminais será contestado, à medida que mais corpos nus de meninas adolescentes forem encontrados na floresta. Tentando resolver o caso e descobrir a identidade do assassino, Amaia deve não apenas enfrentar seu próprio trauma de infância devido aos abusos de sua mãe, mas também uma crescente suspeita de que talvez o assassino seja alguém que está perto demais para se confortar.

Legado nos Ossos (2019) - a parte 2 da trilogia Baztán acompanha a inspetora Amaia após um ano dos acontecimentos de “o guardião invisível”, que está envolvida numa investigação reveladora sobre seu passado. Enquanto isso, ela investiga uma série de suicídios que acontecem no vale Baztán tendo como única pista a palavra “Tarttalo” deixada nos corpos.

Oferenda a Tempestade (2020) - a parte 3 - e final - da trilogia Baztán acompanha Amaia que investiga rituais macabros e a morte de vários bebês, enquanto pessoas a sua volta vão ficando ameaçadas. Neste terceiro filme - que é uma continuação direta à legado nos ossos - uma nova sequência de crimes relacionados à morte de um bebê desencadeia na abertura de mais uma investigação que pode finalmente mostrar a origem dos acontecimentos terríveis que assolam o vale de Baztán.


2. Missa da Meia-Noite
Riley Flynn retorna para sua cidade natal depois de anos e esconde um passado sombrio. E com a chegada de padre Paul, um homem carismático e misterioso, nessa comunidade costeira e isolada, eventos milagrosos e presságios assustadores começam a acontecer, causando comoção entre os moradores da pequena ilha.

Confesso que essa minissérie ainda me deixa um pouco confusa, ao longo dos sete episódios nos deparamos com diversas discussões e divergências religiosas que nos deparamos às vezes no nosso dia-a-dia, temos a visão de extremistas - não é meme - religiosos, temos mulçulmanos e até mesmo personagens que não creem em Deus. Apesar de as discussões serem bem válidas para os dias atuais por englobarem a aceitação da fé do outro e o direito de escolha, os elementos fantásticos envolvendo o “anjo” me incomodaram um pouco, diálogos muito extensos que às vezes não agregava em nada na trama. No fim tudo me soou mais como um castigo divino, algo como: deixe de ser 8 ou 80 e encontre um meio-termo.


3. Maid
Antes de qualquer coisa gostaria de deixar avisado que Maid é uma trama que contém diversos gatilhos, e se você do lado daí não se encontra bem ou confortável psicologicamente eu recomendo que não assista, não são situações pesadas nem nada, mas mesmo assim deve ser consumida com responsabilidade porque traz sim situações que podem causar desconforto e trazer à tona sentimentos nada bons. Então galerinha, consumam Maid com responsabilidade, a demais vamos para a trama.

Maid, minissérie original da Netflix, acompanha Alex, uma jovem mãe que consegue um emprego limpando casas para escapar de um relacionamento abusivo. Depois de sofrer diversas violências nas mãos do ex-namorado, Sean, ela decide fugir com a filha para qualquer outro lugar na expectativa de um construir um futuro melhor para as duas. Além de tudo, ela ainda precisa lidar com a mãe que sofre de distúrbio bipolar e está desaparecida. No caminho, ela é acolhida em um abrigo para jovens vítimas de abuso e começa a trabalhar como empregada doméstica para guardar dinheiro e tentar encontrar um lugar para morar com a filha.

A família da Alex é completamente disfuncional, o pai não é presente, a mãe tem distúrbio bipolar não diagnosticado e ela assumiu responsabilidades muito cedo. A trama é baseada na história real de Stephanie Land autora do livro Maid: Hard Work, Low Pay, and a Mother's Will to Survive onde ela conta tudo que passou ao longo desse período.

Ao longo dos dez episódios acompanhamos a luta de Alex que busca se livrar de um relacionamento abusivo e luta por um futuro melhor para sua filha, e que batalha minha gente, é fácil perceber que lugar nenhum do mundo tem amparo para uma mãe solteira, que precisa de um lugar para morar e um emprego para poder sustentar seus filhos. A burocracia que ela enfrenta ao longo de toda a história é de dar nos nervos é muito descaso por parte do governo, é também uma forma de dar visão a violência psicológica e como as pessoas são desinformadas em sua maioria.

Alex não sofre violência física no decorrer da série, mas sim psicológica e é uma guerra quando ela precisa lutar pela guarda, pois apesar de a lei alegar que é uma violência é muito difícil o tribunal aceitar por falta de provas físicas, entre altos e muitos baixos ela consegue se livrar das amarradas se se reerguer na vida, buscando o melhor sempre não só por sua filha como si também, é uma série que vale muito a pena assistir é uma das minhas preferidas, mas como eu disse lá em cima consuma com responsabilidade.


4. O Homem das Castanhas
A série O Homem das Castanhas se passa em um tranquilo subúrbio de Copenhagen, na Dinamarca. Quando a polícia faz uma terrível descoberta em uma manhã tempestuosa de outubro, uma jovem é encontrada brutalmente assassinada em um parquinho, com uma de suas mãos faltando. Acima dela está pendurado um pequeno boneco feito de castanhas, que coloca um ponto de interrogação na cabeça dos investigadores. Logo, a ambiciosa detetive Naia Thulin é designada para o caso, trabalhando com seu novo parceiro, Mark Hess. Juntos, eles descobrem uma misteriosa pista que conecta o caso à filha desaparecida da política Rosa Hartung, sumida um ano antes.

Essa foi sem dúvidas a série com o final mais surpreendente que vi nos últimos tempos, sério eu chutei diversos personagens como possível culpado, mas estava completamente errada. Não é uma trama muito arrebatadora ou cheia de ação, as coisas se desenvolvem de maneira bem rápida até, mas por incrível que pareça não uma única chance de você saber quem é o assassino real, é muito difícil porque é tudo muito bem elaborado. É surpreendente e o melhor tem um motivo bem real por trás das mortes.


5. My Name
My Name, série sul-coreana original da Netflix, acompanha Yoon ji-woo uma mulher que, após presenciar o assassinato do pai, busca vingança a todo custo. Ela deposita sua confiança em um chefão do crime organizado da Córeia do Sul que promete justiça a ela. Sob seu comando, Yoon ji-woo entra para polícia coreana na intenção de se tornar informante para ele.

Não é um dorama de máfia que se pode dizer: noooooossa que extraordinário. Achei o desenvolvimento bem mais devagar apesar de ser brutal e sangrento se comparado ao nível de outras tramas criminosas coreanas. Tem toda uma história bem trabalhada ali, eles levaram a jornada do herói a outro nível. Assim como em O Homem das Castanhas, My Name deixa para o final o desenrolar da trama, até lá eu mudava de opinião em cada episódio - risos - sobre o verdadeiro culpado na história.

O que achei muito interessante foi o fato da organização - máfia - não usarem armas de fogo, o lance deles é só na faca minha gente. Apesar de a atriz ter desenvolvido muito bem o personagem eu senti falta de um pouco mais de ação por parte dela, poxa vida ela fazia parte de uma máfia e não sabia se livrar de uma algemas - turu bom querida ??? - o final também deixou um pouco a desejar, não foi de todo ruim eu só esperava mais e achei alguns acontecimentos desnecessários, mas no fim é um bom dorama.


6. O Assassino da Capa de Chuva: Caça ao Serial Killer Coreano
O Assassino da Capa de Chuva: Caça ao Serial Killer Coreano é um documentário original da Netflix sobre um famoso assassino em série coreano. A série apresenta a trajetória de Yoo Young-chul, um homem que aterrorizou a população de Seul no começo dos anos 2000 matando suas vítimas de forma brutal e com muita crueldade. Yoo cometeu os crimes entre 2003 e 2004 até finalmente ser preso e condenado pela morte de vinte pessoas. Ele confessou que além de matar, também se alimentava dos orgãos de suas vítimas.

Esse é um documentário que eu encontrei aleatoriamente no Netflix e fiquei chocada, sério, o cara era sádico. A forma como ele foi desenvolvendo e se aperfeiçoando nos crimes é bizarra chegando a comer órgãos de algumas delas. A postura da polícia em meio a tudo isso também foi crucial, no final eles acabaram perdendo um pouco a mão da investigação o que causou muitos problemas. É um documentário para quem gosta do assunto mesmo, tem apenas três episódios bem explicativos sobre seus métodos e condenação, assim como o porque dele ter ficado conhecido como o assassino da capa de chuva.

Esses foram os assistidos preferidos de outubro, me conta aqui qual desses você já assistiu e o que achou, e se por um acaso do destino ainda não tiver assistido nenhum coloque na sua listinha, pois valem a pena.

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *